20 julho 2004

Mais palavras


As palavras servem para escrever cartas. Cartas de amor. As outras, as que não são de amor, não precisam de palavras. Têm uma contabilidade própria, que vai do débito ao crédito, num bailado sem equívocos. As cartas de amor falam da ausência de quem está presente. São a poesia pura. A poesia de que gosto. A merda da poesia.

2 comentários:

Joaquim Manuel COUTINHO RIBEIRO disse...

Poucos são aqueles que ainda sabem escrever cartas de amor, e menos são aqueles que ainda as sabem ler. E que gostam de as ler...

Silvia Chueire disse...

Gosto das cartas de amor, da poesia e de poemas. Como este.