29 setembro 2005

Revista do CEJ, nº2

Ao fim de quase um ano saiu finalmente o nº2 da semestral Revista do CEJ. Escreve-se na capa: 1º semestre de 2005.
A Revista aparenta estar um bocadinho descaída. O Incursões é totalmente alheio ao facto.

Image hosted by Photobucket.com

Image hosted by Photobucket.com

5 comentários:

Cabral-Mendes disse...

O "DN" publicou uma pequena notícia do falecimento do Prof. Antunes Varela. Este jornal, vá lá, ainda tem memória. Veja-se o "Público", com pretensões "intelectuais" e que nada diz sobre o assunto...São demasiado "jovens" para terem cultura e uma visão histórica de uma sociedade em que os homens tinham saber, visão da História e honradez!
Paz à sua Alma!

Do "DN":

Do Código Civil e da cátedra coimbrã
J. M. Antunes Varela


João de Matos Antunes Varela faleceu ontem em Lisboa, aos 85 anos. Natural de Ervedal (Avis), Antunes Varela foi ministro da Justiça entre 1954 e 1967. Licenciado e doutorado em Direito pela Universidade de Coimbra, foi responsável pela formação em diversas áreas do Direito Civil. A sua obra maior foi a produção e aprovação do Código Civil de 1966, hoje ainda em vigor, com várias alterações e adaptações. Na sua tomada de posse como ministro da Justiça, em Agosto de 1954, Antunes Varela garantia que iria estimular os trabalhos de preparação do novo Código, "tão necessário ao progresso das nossas instituições jurídicas". Depois do 25 de Abril leccionou no Brasil, tendo regressado no final dos anos 70 para voltar à cátedra da Universidade de Coimbra, onde rapidamente se reafirmou como pedagogo e comunicador ímpar. Jurisconsulto dos mais citados no direito português, as suas obras 'Das Obrigações em Geral' e 'Código Civil Anotado' foram, e são, referências incontornáveis para a jurisprudência civilista portuguesa. Afirmando-se como "republicanista", Antunes Varela chegou a ser dado como provável sucessor de Salazar, mas o próprio confessaria anos mais tarde que nunca se terá interessado deveras pelo lugar.

Kamikaze (L.P.) disse...

Obrigado por,com o seu comentário, ter referenciado esta perda que, lamentavelmente, não foi oportunamente assinalada no Incursões.

José António Barreiros disse...

Não foi por mal. Foi alguém que se descaíu! Só isso.

Primo de Amarante disse...

Não perder: Ver no "Portugaldiário" os "extra ordinários". Um livro sobre o político Avelino Ferreira torres.

Primo de Amarante disse...

Também pode ser consultado os "extra ordinários" no: amarantelivreblogspot.com