04 janeiro 2006

Mais vale tarde do que nunca

Manuel Alegre afirmou, hoje: «Há um empobrecimento e um afunilamento da democracia. Quando se fala em défice democrático não se fala só na Região Autónoma da Madeira, pois também há défice democrático noutros lados, défice de igualdade, défice de emprego, défice de cidadania, de cultura e de educação».
E exemplificou: «Eu tenho constatado ao longo destes dias que muita gente me vem dizer - vou votar em si, mas não dou a cara! Isso quer dizer que as pessoas têm medo».

Por isso, concluiu: «Nós temos de encarar o problema democrático e da democracia como um todo nacional» e sublinhou que a sua candidatura pretende a «revitalização da democracia».

A nossa conclusão: que pena não haver mais militantes de partidos a se candidatarem, como independentes, à presidência da República!!!… Também eles podiam, assim, descobrir o que nos partidos, nas autarquias e nas questões de domínio político já há muito tempo está á frente dos olhos da maioria dos cidadãos.

2 comentários:

dOliveira disse...

V. não será parente de algum primo de Fafe? É que aqui desanca forte e feio. E bem...
Vale
d'Oliveira

Primo de Amarante disse...

Caro Amigo Oliveira: os meus primos estão em Amarante, em Folgoso. Hoje estive no Marco e depois fui à Amarante ver a minha Tia que fez, recentemente, 94 anos Disse-me com os seus braços de foucinha: «o meu coração ficou tão feliz ao ver-te». Este piropo vale uma vida. È a única Tia que tenho. Está lúcida. Diz-me que não quer viver com os filhos para não criar problemas ás noras. Como vê, é sábia. Ainda hoje me conta estórias, como me contava antigamente: faz acompanhar a sua narrativa com gestos tão determinados que, por vezes, até se atira para o chão. A minha tia Graça Pereira é uma óde á vida, como aliás eram os seus irmãos, os Pereiras de Folgoso.