24 novembro 2004

Um filósofo do camandro

Chamo-me Anaximandro e nasci em Mileto vai para quase três mil anos. Mão amiga fez-me chegar um cartão do vosso primeiro-ministro a agradecer-me o envio da edição alemã da minha obra sobre a natureza, que como sabem saiu no ano passado em CD-Rom. Protestei que estava morto, mas em vão, a prova evidente era que na lista telefónica do Paraná havia para cima de 300 com esse nome e até um rapaz do Atlético Mineiro, que nem joga nada mal. Achei melhor dizer que sim, que eles nos gabinetes é que sabem. Foi o melhor que fiz, pois logo a seguir veio o convite para uma assessoria. Andavam à procura de um filósofo grego com experiência, de preferência pré-socrático, para evitar confusões. Ditei as minhas condições : honorários iguais aos do arquitecto do Parque Mayer, limpos, que eu não quero chatices com o fisco cá de Mileto. Pularam de alegria, tinham contratado uma estrela, um filósofo do Camandro, o gajo que tinha inventado o "apeiron" havia de lhes explicar como se iam manter no poder até 2014. Confesso que me senti desconsiderado e perdi a cabeça : tò a5peiron fánai th>n pâsan ai1tían e5cein th Atrapalhados, disseram que não, era só para fazer uns artigos sobre a democracia e tal e coisa, que enfim como grego era mais fácil, por ser um independente, que também o Benfica e o Porto já lá tinham um, etc. Se é para falar da democracia contem comigo e por isso aqui estou, com carta branca, isto é grega, para dizer o que me apetece. E aí vai disto, como dizia o Hipólito: u2párcein dé fhsi tv<>n gh

5 comentários:

L.C. disse...

Bem vindo, Anaximandro, a esta tertúlia (há quem lhe chame albergue). Trazido por uma amiga, nosso amigo é.
A estreia é auspiciosa e prometedora. Parabéns! E boa sorte, que também é preciso.

Nicodemos disse...

Dou também ao Anaximandro as boas-vindas e espero que contribua para animar este local de encontro e de amizade.

Gastão disse...

τῶν δὲ ἓν καὶ κινούμενον καὶ ἀπειρον λεγόντων Ἀ. μἐν Πραξιάδου Μιλήσιος Θαλοῦ γενόμενος διάδοχος καὶ μαθητὴς ἀρχήν τι καὶ στοιχεῖον εἴρηκε τῶν ὄντων τὸ ἄπειρον, πρῶτος τοῦτο τοὔνομα κομίσας τῆς ἀρχῆς. λέγει δ' αὐτὴν μήτε ὕδωρ μήτε ἄλλο τι τῶν καλουμένων εἶναι στοιχείων, ἀλλ' ἑτέραν τινὰ φύσιν ἄπειρον, ἐξ ἧς ἅπαντας γίνεσθαι τοὺς οὐρανοὺς καὶ τοὺς ἐν αὐτοῖς κόσμους· ἐξ ὧν δὲ ... τάξιν [Β 1], ποιητικωτέροις οὕτως ὀνόμασιν αὐτὰ λέγων.

Kamikaze (L.P.) disse...

Auspicioso começo, de facto, Anaximandro! Venham daí mais posts com a sua celebrada visão cosmogónica e pré-socrática, já que não tendo obra pubilicada, esse CD-Rrom e tradução alemã devem ter sido lançados na feira de Carcavelos e já é tempo de conhecermos o seu original pensamento :)

Primo de Amarante disse...

As minhas saudações revolucionárias, camarada Anaximandro. Lembra-se da repercussão que teve no seu tempo aquela ideia revolucionária de considerar que o “ápeiron” era o princípio da natureza?!... Pois desde esse tempo, o mundo não mudou muito. Ainda há pouco, um outro homem da ciência, Max Plank, acabou por dizer o mesmo. E a sua ideia de que tudo se reduz a contrários!... Reparou como foi desenvolvida pelo camarada Hegel para concluir que os contrários se fundem numa síntese! E a importância que tudo isto teve para um outro camarada, o saudoso Karl Marx!...
Vocês ajudaram-nos não só a desvendar os segredos do cosmos, como também a compreender o avanço da história do homem. Graças às vossas intuições, dispomos, hoje, de um método que nos ajuda a ter esperança no futuro. E, mesmo que alguns não queiram, o mundo continua a avançar pela luta de contrários e quem opta por um mundo mais justa continua a acreditar que é a solidariedade que fará avançar a síntese que provocará, nesta aldeia global, uma vida mais justa e mais humana. Estou muito interessado em conhecer a sua aliança com a cibernética e espero pelo seu CD-Rom.
Bem haja por ter aparecido entre nós e dê os meus cumprimentos ao camarada Tales.