16 junho 2005

A NOITE NOS ACENDE MOVIMENTOS


A noite nos acende movimentos
luminosos. E ampla se diria
ou paz, se não mover-nos
abrisse dentro da brisa.
Mas mesmo que o silêncio
nos alongue a memória e as axilas
respirem o que vemos,
a custo vemos crescerem às pupilas
os vasos de irem vendo
a inclinação das coisas esquecidas.

Fernando Echevarria (1966/ Argélia)

3 comentários:

Anto disse...

Grande poeta este! Lembro o seu livro "Sobre os Mortos". Leiam, por favor.

Primo de Amarante disse...

E quem o quiser encontrar, vá, de manhã, até à praia do Molhe, na Foz. Escondido no seu farto bigode vai lendo e escrevendo, mas fica sempre com um ar feliz quando encontra um amigo. Por vezes aparece por lá o Artur Costa que também escreve neste blog. É filósofo e os seus poemas são difíceis. São poemas de oficina: trabalha essencialmente a palavra.Tudo o que tem publicado está na editora Afrontamento.

M.C.R. disse...

O Echevarria acoita-se no bar do Ferreira, sempre encostado á parede não vá aparecer algum pistoleiro e tentar surpreendê-lo pelas costas. É homem de trato amabilíssimo, bom conversador e, como dizem os dois anteriores companheiros, um excelente poeta. Leiam-no: façam um favor a vocês mesmos!