17 dezembro 2005

Transcrição de gravações

Li hoje num qualquer jornal que pelo Dr. Rui Pereira terá sido proposto que as gravações de audiências passassem a ser transcritas por quem recorre.
É uma vergonha a fortuna que se paga pelas transcrições de gravações. É ainda vergonha que esse negócio seja feito, segundo a notícia, através de escritórios de advogados. É uma vergonha que essas empresas sejam seleccionadas pelos tribunais, a seu arbítrio, sem que se conheça qualquer critério.
Mas não seria mais simples oferecer um gravador a cada um dos Magistrados dos tribunais superiores para que ouvissem as gravações? Poupava-se muito tempo e muito dinheiro. Aumentava-se a eficácia e eficiência da Justiça. Mas, certamente, o que é preciso é aumentar os custos dos cidadãos, complicar o funcionamento do sistema e assim contribuir para o aumento do PIB (não esqueçamos que quanto maior for o PIB menor é o défice público; o controlo do défice faz-se quer por redução da despesa pública, que por sumento do PIB!!!)

10 comentários:

O Hóspede disse...

As coisas seriam como sugere se isto fosse um país desenvolvido, mentalmente desenvolvido.
Assim, no estádio em que nos encontramos, até devemos dar-nos por felizes por haver gravações, ainda que às vezes não se perceba nada do que uns e outros dizem na sala de audiências.
Pior, muito pior, é o contentamento nacional por termos sido bem sucedidos na fatia que nos vai caber no Orçamento Europeu. É que esse contento esconde a razão do sucesso: Portugal, face aos fracos (nulos)níveis de senvolvimento que atingiu nos últimos anos, foi tratado como um país que tivesse acabado de aderir à comunidade. Os senhores da Europa reconhecem o nosso profundo fracasso e, por isso, decidiram ser benevolentes.
Hoje, toda a comunicação social expande a sua alegria pelo bodo recebido.
Enfim, tudo se passa como se isto fosse um grande Natal dos Hospitais.

Primo de Amarante disse...

caro Mocho Atento: procure saber a que familiares (diretos) pertence a empresa que passou a escrito as gravações do julgamento de Avelino e quanto tempo demoraram para o fazer. Pergunte ao carteiro.

O que se passa nesta matéria é uma vergonha!

KILAS disse...

O grande problema é que oferecendo um gravador a cada magistrado, acabavam-se os tachos das tais sociedades de advogados...
Afinal, este País ( ? ) não está feito para dar continuidade aos tachos?
As moscas podem mudar mas a m..... há-de ser sempre a mesma...
Aculpa disto tudo ou foi do D. Afonso Henriques que bateu na própria mãe ou, mais tarde de 1640...
Não seria melhor sermos a 6ª província espanhola?
Ou será que ainda há quem entenda que devemos continuar com o bacoquismo da Nação, Pátria, bla, bla,....

O Hóspede disse...

Face a tão grande desespero não será melhor o Sr. Kilas mudar-se já para o lado de lá da fronteira?

Carlos Lima disse...

Provocação:

Se calhar, o melhor era envolver os jornais neste esforço financeiro. Até porque nós, os jornalistas, adorámos transcrições.

Carlos Rodrigues Lima

F. Ventura disse...

Grande Lima... Quanto custarão as transcrições no Apito Dourado?

Carlos Lima disse...

Acho que as do Apito, comparando - segundos os mentideiros - com os sobreiros e afins valem uma ninharia......

Carlos Rodrigues Lima

F. Ventura disse...

Os sobreiros são uma questão de Estado, quero dizer, de Loja, mon cher Limà. O Apito é apenas uma questão de fruta, da barata.

Carlos Lima disse...

Meu caro F. Ventura, saliento a "convergência" de opiniões.

(Hoje tou mesmo venenoso)

Carlos Rodrigues Lima

Amanita muscaria disse...

Convergência, loja, não seria mais justo para os leigos que os meus amigos falassem abertamente das vossas insinuações maçonicas???