13 janeiro 2006

Que País!!!!....

Segundo o “24 horas” de hoje, a Portugal Telecom forneceu ao Ministério Público, a pedido deste, dezenas de disquetes com registos de chamadas telefónicas e números de telefone sem que (no parecer do Jornal) qualquer justificação legal fosse avançada para justificar o pedido. São milhares de telefonemas feitos pelas mais altas figuras do Estado Português, registando-se, entre estas, os números de telefone privados de Jorge Sampaio, Souto Moura, Mário Soares, António Guterres e Mota Amaral, que aparecem nos autos do processo casa Pia sem que tenha sido encontrado o despacho do juiz a legitimar a presença de tais listas no processo.
Refere o mesmo Jornal que, ao cruzar-se a informação desses telefonemas, não é encontrada nenhuma ligação com os arguidos ou testemunhas do processo Casa Pia. Dessa forma, altas figuras do Estado português, sobre as quais não havia qualquer indicação de poderem estar ligadas ao processo Casa Pia, acabaram por ser envolvidas neste processo..Esta situação levou o Presidente da República a convocar o Procurador-Geral da República para uma reunião. Como já é público, o PGR garantiu, no final da reunião, que sobre esta matéria se iria proceder a um rigoroso inquérito.
Este chocante caso, terá necessariamente de colocar muitas questões que passarão não só pelo funcionamento da justiça, sua independência, formação e avaliação dos seus operadores, mas também pelas regras do sistema numa sociedade democrática. E este debate (aliás já abordado neste blog) impõe-se como um desígnio nacional.
Sem um funcionamento credível da Justiça nada pode funcionar neste País.

20 comentários:

Cabral-Mendes disse...

Razão tinha eu, Compadre...realmente há aí uns rapazes CHEIOS DE GRAÇA E completamente ANÓNIMOS, que até desabafam desta maneira: " Estão os senhores comentadores para as escutas como Hegel para os factos que contrariavam a sua tese filosófica - tanto pior para os factos. Já não há pachorra..."

Não há pachorra dizemos nós, cidadãos honestos e cumpridores da lei! E vítimas do "sistema" (como diria o inefável Dias da Cunha...)

Afinal, o "pessoal" queixava-se tanto da DGS e das suas escutas e...vai-se a ver...estamos na mesma! ou, diria eu "verrinosamente"... pior!

É claro que não são os senhores Magistrados do MP que executam (materialmente) as escutas...ora, para bom entendedor...

Realmente, "não há pachorra"!

Kamikaze (L.P.) disse...

Nao se precitem, meus caros, como reiterada e infelizmente faz Souto de Moura...
Tendo sido a noticia dada pelo 24 Horas e sendo, para mais, de origem Van Krieckiana,sera avisado esperar, se nao 24, pelos menos mais algumas horas...para se começar a perceber os logros e falsidades que possa conter!
Para ja anoto que, dos alegados REGISTOS de chamadas (facturaçao detalhada) se passou, rapidamente, em titulos "informativos" (v., p. ex., Publico Online) para "escutas telefonicas" ...e que nesse pressuposto ja se pronunciaram os politicos de serviço e candidatos a PR!

O meu olhar disse...

Reforço o comentário de Kamikaze. Manda o bom senso que esperemos, para não andarmos a reboque de “notícias” que poderão ser construídas a partir de uma base errada. Ou então, a base está certa e a construção da notícia é que está deturpada, que é coisa frequente neste país!

josé disse...

Aqui está um caso que impunha umj esclarecimento imediato, por quem de direito.
Não se faz e depois deixa-se a comunicação social às aranhas para agarrar uma ponta por onde pegar.

Ouvi na SIC, enquanto almoçava, o bastonário da OA a falar ao lado de Ricardo Costa, dos noticiários da estação.
Pois bem! Nem pelo facto de o bastonário ter feito declarações sensatas e razoáveis ( assim me pareceram) e dizer algo que seria de senso comum para quem percebe minimamente destas coisas, tal evitou que o tal Ricardo inflamasse logo ali a audiência com um discurso a queimar a Procuradoria e o PGR.
É assim...nem assim!

A PGR nestas coisas,de esclarecimentos firmes e imediatos, não aprende, nem quer aprender. A ignomínia espalha-se como fogo em palha em poucas horas e eles ( sim, os da PGR) levam dias a elaborar comunicados que apenas confundem, muitas vezes.
É triste.

lemoncourt disse...

"Que país"... onde um jornal de 3ª categoria publica uma notícia(?) sem actualidade e sem credibilidade que leva o Presidente da República a chamar ,de urgência, o Procurador Geral.

josé disse...

lemoncourt:

A um país desses, deveria chamar-se "pimba".
É o que é.
Temos que ser todos pimbas, neste país, e nem sequer nos interrogarmos como é que as coisas podem ter-se passado, acreditando piamente no 24 horas?

Parece que sim.
E se as coisas forem esclarecidas e se revelarem diferentes do que aparentemente se apresentam, o que acontece ao jornal?!
Ora! Publica na primeira página que a mulher de não sei quem não aceita a pensão de alimentos do não sei quantos! E a vida sigue igual, para o sr. Tadeu! ou ainda melhor, pois o jornal foi o único que aumentou a tiragem no ano passado. À custa destas coisas, aliás.

amigodalex disse...

Caro Delfim, não se precipite. Siga os conselhos da Kamikaze e aguarde umas horas...

Cabral-Mendes disse...

Meu caro, cá estaremos...

jcp (José Carlos Pereira) disse...

E se não houver logros e falsidades? Estaremos todos de acordo em como a situação é preocupante e grave?
Quem deve ser responsabilizado? "Mata-se" o mensageiro ou vamos até ao fundo do problema?

Primo de Amarante disse...

Posso estar de acordo com todos os que me antecederam, mas até, por isso,se torna evidente que há um problema sobre a Justiça que é urgente encarar de frente.

Recorrendo à referência de Hegel (como fez o compadre Delfim)diria que é preciso tornar racional o que aparece como real.Não me penso, por isso, que é razoável enforcar o mensageiro. A notícia está dada e isso tem um significado que é preciso clarificar em todas as perspectivas, em vez de a priori demonizar o jornal. É evidente que algo está a correr mal e só se corrige o que está a correr mal, percebendo por que aconteceu isso. Só assim se podem tirar as conclusões certas, que sirvam a credibilidade do sistema e respondam às preocupações de todos os que têm consciência que da Justiça depende o funcionamento de todas as instituições. A caixa de Pandora há muito que foi aberta e não se abriu por acaso. Não vale a pena fazermos como a avestruz. É preciso atacar o problema de frente (porque ele é real, existe) e é urgentemente fazê-lo.

Espero ser entendido como, de facto é minha intenção

Primo de Amarante disse...

Queria dizer: Não me parece, por isso, que é razoável enforcar o mensageiro.

josé disse...

Meu caro compadre:

E se a mensagem é falsa e inventada pelo próprio mensageiro?!

Não deveríamos pôr algumas reservas, sabendo que a notícia vem do lado que vem?!

Eu por mim, ponho. Todas e mais algumas.

M.C.R. disse...

No caso da notícia ser falsa, COMO ESPERO E DESEJO, fico a aguardar a imediata instauração de um processo ao jornalista, ao jornal e que isso não acaber em acordos vergonhosos. Cometer um crime é uma infâmia. Deixar a infâmia impune será um desastre.
Todavia, como diria o velho chefe gaulês que invadiu Roma: Vae Victis!
em bom português: Ai dos vencidos!

Primo de Amarante disse...

Só se sabe que o mensageiro traz uma mensagem falsa, investigando a mensagem antes de abater o mensageiro. De contrário, não aprendemos nada com o erro dos romanos.

Mirandum disse...

Parece-me avisado o cuidado com que a generalidade dos bloggistas espera esclarecimento. Porém o que me preocupa está já muito para além da própria veracidade da noticia; o que me preocupa é a, pelo menos, aparente facilidade com que se difundem noticias sobre processos e o, pelo menos aparente, desconhcimento sobre o que fazer do P.G.R.
Digam-me uma coisa, não teria sido, também, avisado que quando foi chamedo a S. Bento, pelo menos pelo caminho, tivesse o P.G.R. ligado para a sua gente de forma que logo ali tivesse ficado o Presidente da Repubica e o Pais mais descansados? Não teria sido mais avisado que não demonstrasse em público que não estava minimamente a par do que este processo tão mediático, contém ou deixa de conter?
Caros amigos estou a ficar preocupado e descrente, o que para quem vive neste meio é deveras preocupante. Que dirão os que não estão a para do processualismo da nossa Justiça? Estamos na républica das bananas; estamos feitos e entregues ao improviso ?? de mais dúzia de gananciosos sem escrupulos. Onde iremos parar?

on disse...

Porque é que a notícia apareceu esta semana? Os documentos estavam na PGR há muito tempo...
Se o PGR não cair esta semana o PS terá de discutir o nome do seu sucessor com Cavaco...

Galo disse...

Peço desculpa por me intrometer mas sugeria que lessem o post de José António Barreiros na Grande Loja do Queijo Limiano.Um abraço a todos.

ÓSCAR ALHINHOS disse...

Juro que omeço a achar piada a isto!...
Quando as coisas correm bem, o mérito é da Pj; quando correm mal o demérito é do MP.
Mas, afinal, quem, na prática e no concreto e, até, em tempo real, ouve as escutas? Será O Mº Pº? Será o JIC?????
Por outro lado, o tempo passa; o Homem não quer deixar pelo seu próprio pé o lugar; as Presidenciais estão à vista... o que fazer????? A resposta parece-me óbvia.....

Galo disse...

O compadre Intrometido tocou no ponto. Se alguém tem um mínimo conhecimento do modo como as escutam são efectuadas na prática sabe que elas se procesam de uma forma que acho um pouco esquisita:O MºPº promove a realização , o Juiz autoriza e ordena à PJ a sua execução, esta executa e quando termina ouve-as e leva ao Juiz as transcrições que, após, as manda juntar aos autos, avaliando o que tem interesse para a investigação e eliminando o que não tem. Não acham esquisito que seja o Juiz a dizer o que o MºPº precisa para exercer a acção penal? Já pensaram que aquilo que é junto aos autos é feito à revelia de quem dirige a investigação? A PJ e o Juiz é que ouvem e dizem o que é relevante. Acham justo que o MºPº pague por aquilo que não controla?

ÓSCAR ALHINHOS disse...

Caro OPINTO:
Palavras sábias, as suas...
Já agora e a propósito, seria bom que os chamados " media situacionistas " deixassem de o ser e se questionassem porque razão, numa altura de tanto sufoco financeiro para o País, há pessoas na PJ que ganham tanto como magistrados; foram aumentados, etc...
A PJ começa a ser um Estado dentro do Estado e não está, como devia estar, completamente dependente do Mº Pº, sendo certo, repito-o, que quando as coisas correm bem os méritos vão para a PJ e quando as coisas correm mal os deméritos vão para o Mº Pº.
Porque será??????