03 janeiro 2006

Texto com pedido de subscrição

Para: Ministra da Educação

Lamentou Stravinsky que as pessoas não fossem «ensinadas a amar a Música, mas apenas a respeitá-la». Podemos acolher a ideia e transpô-la para o ensino da língua portuguesa, relevando como é natural a Literatura, e concluir que a «Pátria» de todos nós não é amada, nem minimamente respeitada, mas antes parodiada. Não sabemos se devemos rir ou chorar perante situações como a de apresentar «Frei Luís de Sousa» de Almeida Garrett sob o título «Até ao meu regresso...»; transformar um soneto de Luís de Camões numa notícia de jornal, um texto de Fernando Pessoa num requerimento, um auto de Gil Vicente numa carta de reclamação, ou ainda envolver a poesia de Cesário Verde, o poeta de Lisboa e Mestre de Fernando Pessoa e heterónimos, com editoriais, textos publicitários e outros. Temos assistido à sedimentação do culto do facilitismo, da permissividade e da ignorância.Entretanto, valores como a delicadeza, a curiosidade, o espírito de rigor, a exigência, o esforço ou o brio continuam a ser riscados do quotidiano escolar, com o aval de muitos que integram o Ministério da Educação. Testemunhámos esse comportamento nas últimas provas de avaliação do 9º ano, em que se substituiu «Os Lusíadas» de Luís de Camões por pontos de um Tratado da União Europeia, se interpretou Alves Redol e Luísa Costa Gomes com respostas de escolha múltipla e de verdadeiro/falso, se aprisionou a escrita dos alunos, com a imposição obsessiva de um número estipulado de palavras, sujeito o seu incumprimento a uma penalização. Lamentavelmente, situação idêntica se prevê para os próximos exames do 12º ano do Ensino Secundário, de acordo com informações recentemente chegadas às Escolas. Sabemos que, em boa parte, este é o resultado da aplicação dos novos programas, no caso específico de Língua Portuguesa, aos Ensinos Básico e Secundário. Porque ao Ministério da Educação se exige responsabilidade no seu directo envolvimento com o Ensino, vêm os signatários pedir à Senhora Ministra da Educação que intervenha no sentido de pôr cobro a esta situação, a qual não dignifica a Escola, enquanto lugar de continuidade de um património herdado, de aquisição permanente de novos saberes e de criatividade inovadora.

Respeitosamente,

The Undersigned

8 comentários:

M.C.R. disse...

pronto para assinar: basta dizercomo e onde.

Primo de Amarante disse...

No "The Undersigned" e seguir a informação

Coutinho Ribeiro disse...

Subscrevo. Aliás, já subscrevi.

Cabral-Mendes disse...

Que desgosto!...

Cá em casa já subscrevemos!

M.C.R. disse...

Pronto, Compadre. Já lá está com o bonito número 1224.

Primo de Amarante disse...

Já tina sido anunciado nos Jornais. De qualquer forma, penso que o problema diz respeito a todos nós e, por isso, o levei ao Bolg.

Um abraço

M.C.R. disse...

E fez muitíssimo bem, Compadre.

Anto disse...

Assinado está!