09 dezembro 2004

150 Anos da Morte de Almeida Garrett

A “mui nobre cidade invicta”, como lhe chamou Garrett, parece tê-lo esquecido no dia 9 de Dezembro.
Em sua homenagem, o mais conhecido dos seus poemas, já cantado por Teresa Tarouca:


Barca Bela

Pescador da barca bela,
Onde vás pescar com ela,
Que é tão bela,
Ó pescador?

Não vês que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Ó pescador!

Deita o lanço com cautela,
Que a sereia canta bela…
Mas cautela,
Ó pescador!

Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela
Só de vê-la
Ó pescador.

Pescador da barca bela
Inda é tempo, foge dela,
Foge dela
Ó pescador!

Almeida Garrett

1 comentário:

Joaquim Manuel COUTINHO RIBEIRO disse...

Um dos mais belos poemas de que me lembro. Talvez pela aparente simplicidade.