09 janeiro 2006

Uma ética "à maneira"

Pina Moura, ex-comunista ortodoxo, ex-ministro das Finanças heterodaxas e eleito deputado pelo albergue do PS recebeu do Millennium BCP Investimentos SA, em 2004, 120mil euros por trabalho de consultoria que se prendia com a Iberdrola e dizia respeito a uma área que, como ministro controlava.

O ex-ministro e actual deputado representante em Portugal da Iberdrola descobriu que a ética republicana é o cumprimento da lei, concepção que não é original, pois há mais de 2mil anos essa concepção já havia servido de lema aos fariseus com as consequências que desde então se conhecem.

4 comentários:

Cabral-Mendes disse...

Gostei do seu postal, Compadre esteves, na sua totalidade; mas mais ainda da parte final... fina ironia...
Um abraço!

dlmendes

Kamikaze (L.P.) disse...

Subscrevo integralmente o anterior comentario! O Compadre est´´a em grande forma, ao contrario do que soe "apregoar"...

Coutinho Ribeiro disse...

Sobre as questões da distinção entre o que é legal e as normas de conduta, cfr. o meu postal "Frustrações", publicado um pouco mais abaixo. Quanto ao mais, recupero uma ideia que já deixei aqui há muito: em Portugal, importane não é ser ministro - o que vale a pena é ser ex-ministro!

M.C.R. disse...

Salvaguardando o facto de em 2004 PM já não ser ministro (pouco se perdeu...) isto está que ferve.
Já agora convinha ir um pouco mais fundo: ver, por exemplo, quantos ex-ministros, deputados e coisas afins, estão no controle de bancos, grandes empresas e similares.
Ainda acabamos por nos dar conta que PM é a regra e não a excepção.
Ah, mcr, que grande camelo foste! Tanto lugar te ofereceram e tu de virgem ofendida...